Regulamento

RESOLUÇÃO CEPE Nº91/2004

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FLORESTAIS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

MESTRADO E DOUTORADO

Normas complementares da resolução do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) nº 091/2004 da Fundação Universidade de Brasília.

I. Dos Objetivos

Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais, do Departamento de Engenharia Florestal da Faculdade de Tecnologia da Universidade de Brasília, visa aprofundar os conhecimentos adquiridos pelos graduados em Engenharia Florestal ou áreas afins por meio de estudos avançados e pesquisas, que conduzam aos graus de Mestre e de Doutor em Ciências Florestais.

Parágrafo 1º - O Mestrado objetiva promover a competência científica, contribuindo para a formação de docentes e pesquisadores.

Parágrafo 2º - O Doutorado objetiva formar profissionais de alto nível que possam atuar como pesquisadores e/ou docentes.

Parágrafo 3º - Os Cursos de Mestrado e Doutorado estão organizados em duas Áreas de Concentração:

a) Conservação da Natureza;

b) Manejo Utilização de Recursos Florestais.

 

II. Da Coordenação

Art. 2º - O curso esta estruturado segundo a legislação vigente e as normas internas da Universidade de Brasília.

Art. 3º - A Coordenação geral do programa de Pós-Graduação em Ciências florestais da UnB cabe em plano deliberativo ao Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE), ou por meio da Câmara de Pesquisa e Pós-Graduação (CPP)

Art. 4º - A Coordenação didática e científica do programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais caberá ao Conselho dos Cursos de Pós-Graduação da Faculdade de Tecnologia (CCPG-FT), na forma em que dispõe o regimento geral da UnB.

Art. 5° - A coordenação das atividades do Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais da UnB será exercida pelo Colegiado da Pós-Graduação em Ciências Florestais (CPG-CF).

Parágrafo 1º - O Colegiado da Pós-Graduação, presidido pelo coordenador do curso, é composto por todos os professores permanentes dos Cursos de Pós-Graduação stricto sensu, um representante dos alunos de mestrado e um representante dos alunos de doutorado.

Parágrafo 2º - Os representantes dos alunos serão eleitos pelos seus pares, tendo um mandato de um ano.

Parágrafo 3° - Compete ao Colegiado da Pós-Graduação:

a) Coordenar o Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais;

b) Designar a Comissão de Pós-Graduação e o Coordenador do Curso;

c) Definir a criação de novas disciplinas e o cancelamento ou alteração das disciplinas existentes;

d) Deliberar sobre a admissão de alunos especiais;

e) Estabelecer critérios para a concessão de bolsas de estudos;

f)  Definir e atualizar as linhas de pesquisa do Programa;

g) Deliberar sobre o credenciamento ou descredenciamento de orientadores para o Programa;

h) Aprovar o desligamento do aluno;

i)  Propor a composição da Comissão de Seleção.


Art. 6º - O Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais terá uma Comissão de Pós-Graduação, presidida pelo coordenador do curso, fazendo parte ainda dois professores orientadores permanentes, eleitos pelo colegiado do Curso de Pós-Graduação e um representante discente, com no mínimo um ano de permanência no Curso.

Parágrafo único - Para efeito de “quorum” fica estabelecida a maioria simples.

Art. 7º - Compete a Comissão de Pós-Graduação:

a) Assessorar o Colegiado do Curso e o Conselho dos Cursos de Pós-Graduação da FT na execução da política de Pós-Graduação;

b) Gerenciar a distribuição e a renovação de bolsas de estudo;

c) Acompanhar o Curso de Pós-Graduação no que se diz respeito ao desempenho dos alunos, adequação curricular e desenvolvimento de bolsas de estudo;

d) Propor ao Conselho dos Cursos de Pós-Graduação da FT o número de vagas a serem oferecidas, a composição da Comissão de Seleção e das Comissões Examinadoras, trancamento geral de matrícula, designação e mudança de orientador;

e) Executar tarefas delegadas pelo Colegiado do Curso;

f) Proceder a indicação dos professores que farão parte do Corpo Docente do Curso, com base no “Curriculum vitae”, observada a titulação de doutor ou equivalente ou ainda com competência reconhecida no meio acadêmico.

g) Propor o credenciamento de orientadores específicos;

h) Propor a designação de co-orientadores.


Art. 8º - O Coordenador do Curso será escolhido entre os professores orientadores permanentes do Programa.

Parágrafo 1° - O mandato do Coordenador de Pós-Graduação será de dois anos, podendo ser renovado por uma única vez consecutiva.

Parágrafo 2° - Compete ao Coordenador do Curso:

a) Presidir a comissão de Pós-Graduação e o Colegiado do Curso de Pós-Graduação;

b) Representar o Curso junto ao Conselho do dos cursos de Pós-Graduação da Faculdade de Tecnologia;

c) Ser o responsável perante o Conselho dos cursos de Pós-Graduação da Faculdade de Tecnologia, o Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação e as agências do fomento pelo andamento do Programa;

d) Gerenciar as atividades de Pós-Graduação visando a manutenção de elevado padrão de ensino e pesquisa;

e) Elaborar e entregar pontualmente o relatório anual do Curso aos órgãos competentes.

 

III. Da Inscrição, Seleção e Matrícula

Art. 9º - A inscrição deve ser feita na Secretária do Departamento de Engenharia Florestal pessoalmente, por procuração ou via correio, em época fixada no calendário escolar da UnB, preenchendo-se o formulário de inscrição com declaração de anuência do provável orientador e anexando-se os seguintes documentos:

a) Requerimento de inscrição em formulário próprio, contendo declaração de aceite do orientador [Mestrado/Doutorado];

b) Cópia autenticada do histórico escolar da graduação [Mestrado/Doutorado] e do Mestrado [Doutorado];

c) Cópia autenticada de Diploma de Graduação em Curso Superior [Mestrado/Doutorado];

d) Cópia autenticada de Diploma de Mestrado [Doutorado];

e) “Curriculum vitae” com cópias dos comprovantes [Mestrado/Doutorado];

f) Duas cartas de recomendação de professores ou profissionais com quem o candidato tenha desenvolvido trabalho conjunto [Mestrado/Doutorado];

g) Proposta de projeto de Doutorado [Doutorado];

h) Apresentar cópia de trabalho publicado em periódico da área com Comissão Editorial, ou cópia do manuscrito com carta de aceitação definitiva do trabalho pelo editor do periódico [Doutorado];

i) Cópia da carteira de identidade ou passaporte [Mestrado/Doutorado];

j) Cópia do certificado de reservista [Mestrado/Doutorado];

k) Título de eleitor com comprovante de votação [Mestrado/Doutorado];

l) Cópia do CPF [Mestrado/Doutorado];

m) Uma foto 3x4 com data do ano corrente [Mestrado/Doutorado];

n) Declaração do empregador liberando o candidato [Mestrado/Doutorado], quando corresponda.

Art. 10º - Para matricular-se nos Cursos de Pós-Graduação, o candidato deverá, além de satisfazer as prescrições do Regimento Geral da UnB e demais normas pertinentes, ser Engenheiro Florestal ou graduado em área a fim, a critério da Comissão de Pós-Graduação e ser aprovado nas provas de seleção.

Art. 11° - A Comissão de Seleção, proposta pelo Colegiado do Programa (CPG-CF) e aprovada pela CCPG/FT, composta por 03 (três) professores do Programa e um suplente, efetuará a seleção dos candidatos ao Mestrado.

Parágrafo 1º - O Processo de Seleção será iniciado com aceitação do candidato por um professor orientador.

Parágrafo 2° - O processo de seleção para o Mestrado constará ainda da análise do “Curriculum vitae”, Histórico Escolar, produção científica, exame de conhecimento em Ciências Florestais, entrevista e prova de suficiência em inglês.

Parágrafo 3° - O processo de Seleção para o Doutorado constará ainda da análise do “Curriculum vitae”, Histórico Escolar, produção científica, verificação da entrega de trabalho publicado em periódico científico da área florestal, projeto de pesquisa, entrevista e prova de suficiência em inglês.

Parágrafo 4° - A suficiência em inglês será avaliada por prova escrita de compreensão de texto ou, alternativamente, o candidato poderá apresentar um certificado de proficiência em inglês reconhecido internacionalmente, com resultados superiores a 50% do valor máximo a ser atingido pelo teste.Será também, considerado como valido para suficiência em inglês, candidatos que, comprovadamente, habitaram em um País de língua inglesa por um mínimo de dois anos.

Parágrafo 5° - Os critérios para o concurso de Seleção serão fixados pela Comissão de Pós-Graduação, com aprovação do Colegiado do Curso.

Parágrafo 6° - Serão considerados alunos especiais de disciplinas isoladas de Pós-Graduação, os que nela tenham ingressado sem cumprir as exigências estabelecidas para admissão regular ao curso. Para tanto, estes devem cumprir todos os requisitos Art. 20 da Resolução CEPE 091/2004.

Art. 12º – Os alunos do curso de mestrado poderão ser admitidos no curso de doutorado do mesmo Programa, a qualquer momento antes de completarem dezoito meses no Programa, sem necessidade de submeter-se ao processo público de seleção para o doutorado, desde que a mudança esteja prevista e normatizada no regulamento do programa.

Parágrafo 1º - Não poderão se beneficiar do disposto no caput deste artigo os alunos que tenham sido admitidos mais de uma vez no mesmo programa.

Parágrafo 2º - A solicitação de admissão ao doutorado deverá ser aprovada pelo Colegiado de Pós-Graduação do Programa e referendada pelo Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação, cumpridos, no mínimo, os seguintes requisitos:

I – solicitação fundamentada do aluno acompanhada do projeto de tese e de cronograma para o seu desenvolvimento cuja duração total, incluído o tempo como aluno de mestrado, não poderá ultrapassar 54 meses até a data de defesa de tese;

II – parecer circunstanciado do professor orientador do aluno no qual fique comprovado o potencial do aluno e a viabilidade do projeto de tese a ser desenvolvido pelo estudante dentro do cronograma proposto.

III – parecer da comissão de três membros designada pelo Colegiado de Pós-Graduação, especialmente para esse fim, composta de professores credenciados para orientar no doutorado do programa e, opcionalmente, membro externo ao programa credenciado para orientar no doutorado.

 

IV. Do Sistema de Disciplinas

Art. 13º - O programa de Pós-graduação em Ciências Florestais subdivide-se em dois níveis: Curso de Mestrado em Ciências Florestais e Curso de Doutorado em Ciências Florestais.

Parágrafo 1º - O programa de Pós-graduação em Ciências Florestais é composto por disciplinas do Núcleo de pesquisa, de formação específica e de área conexa.

a) As disciplinas do núcleo de Pesquisa são destinadas a formar o aluno como pesquisador e dar-lhe subsídios para apresentar os resultados de sua pesquisa nas formas oral e escrita;

b) As disciplinas do Núcleo de Formação Específica têm por objetivo consubstanciar o conhecimento específico e serão eleitas de comum acordo pelo aluno e pelo orientador de modo que seja atendida a sua proposta de trabalho;

c) As disciplinas de Área conexa visam contemplar conhecimentos complementares relativos ao programa e serão cursadas pelo aluno em função do seu interesse e mediante a aprovação do professor orientador.

Parágrafo 2º - As disciplinas dos Núcleos de Formação Específica estão distribuídas por Áreas de Concentração: Conservação da Natureza e Manejo e Utilização de Recursos Florestais.

Parágrafo 3º - As disciplinas dos Núcleos de Formação Específica e de Pesquisa são aquelas relacionadas no Anexo I deste Regulamento.

Parágrafo 4º - A relação de disciplinas, bem como o número de créditos, poderão ser alterados, por sugestão da Comissão de Pós-Graduação, com a aprovação do Conselho dos cursos de Pós-Graduação da Faculdade de Tecnologia e homologação da CPP.

Art. 14º - A disciplina denominada "Seminário Avançado em Ciências Florestais I”,que terá dois créditos, será obrigatória, de caráter amplo, onde os alunos do mestrado e do doutorado, professores do Departamento de Engenharia Florestal e convidados de outras instituições apresentaram trabalhos e conferências.

Parágrafo 1º - O critério de aprovação na disciplina de Seminário Avançado em Ciências Florestais I é a frequência mínima de 80% para qual será dado crédito concedido (CC).

Parágrafo 2º - Será obrigatório ao aluno matricular-se nesta disciplina, no 2º período de sua vida acadêmica.

Parágrafo 3° - Nesta disciplina, no decorrer do semestre, o aluno deverá apresentar, e entregar por escrito, um plano de trabalho de suas atividades que será desenvolvido durante o curso, o qual deverá conter o projeto de dissertação de Mestrado ou tese de Doutorado.

Art. 15º - A disciplina denominada "Seminário Avançado em Ciências Florestais II”,terá carga horáriade 30 horas, será obrigatória, de caráter amplo, não sendo computado créditos onde os alunos do mestrado e do doutorado, professores do Departamento de Engenharia Florestal e convidados de outras instituições apresentaram trabalhos e conferências.

Parágrafo 1º - O critério de aprovação na disciplina Seminário Avançado é a freqüência mínima de 80% e não haverá cômputo de crédito.

Parágrafo 2º - Será obrigatório ao aluno do Mestrado matricular-se nessa disciplina no 3º período regular e o aluno do Doutorado deverá matricular-se no após a qualificação, vide art. 18,  5°, e até o 7° período regular.

Parágrafo 3º - Nesta disciplina, no decorrer do semestre, o aluno deverá apresentar, e entregar por escrito, um plano de trabalho de suas atividades que será desenvolvido durante o curso, o qual deverá conter o manuscrito de sua dissertação ou tese no estágio em que se encontre.

Parágrafo 4° - O plano de atividades submetido pelo aluno será encaminhado pelo Coordenador de Pós-Graduação para a Comissão de Pós-Graduação CPG-CF que emitirá parecer conclusivo sobre o mesmo.

Art. 16º - O aluno que demonstrar no processo de seleção ou durante o curso, deficiência na formação básica, deverá a juízo do orientador e da Comissão de Pós-Graduação, cursar sem direito a créditos, as disciplinas da graduação que lhes forem indicadas.

Parágrafo 1º - O não cumprimento desta exigência implicará no desligamento do aluno do curso sem direito a recurso.

Parágrafo 2º - O aluno deverá cursar todas as disciplinas de reforços para sua vida acadêmica até o segundo semestre letivo.

Art. 17º - A disciplina denominada "Qualificação em Ciências Florestais” terá carga horária de 15 horas, será obrigatória para os alunos de doutorado, não sendo computado créditos e nesta os alunos de doutorado, apresentarão o seu projeto de tese e uma aula de qualificação sobre o tema relativo ao mesmo.

Parágrafo 1º - Será constituída uma Comissão Examinadora de Qualificação, composta pelo professor orientador e dois professores do programa e um suplente, também professor do programa, que emitirão parecer conclusivo sobre o projeto após argüição do aluno na ocasião da aula de qualificação.

Parágrafo 2º - O aluno deverá entregar o projeto de tese aos membros da Comissão Examinadora de Qualificação pelo o menos 15 dias antes da data da aula de qualificação.

Parágrafo 3º - Será considerado aprovado na disciplina, o aluno que receber parecer positivo da Comissão Examinadora e não haverá cômputo de crédito.

Parágrafo 4º - No caso de reprovação, o aluno terá chance de matricular-se na disciplina no semestre subseqüente.

Parágrafo 5º - Será obrigatório o aluno do doutorado matricular-se nesta disciplina no 4° período regular.

Art. 18º – Durante a elaboração da dissertação e após a conclusão dos créditos, o aluno de mestrado deverá matricular-se na disciplina Elaboração de Trabalho Final de Mestrado e o aluno de Doutorado deverá matricular-se na disciplina Elaboração de Trabalho Final de Doutorado.

Parágrafo único – não haverá cômputo de créditos.

Art. 19º - Disciplinas em nível de Pós-Graduação em cursos stricto sensu previamente cursadas em outras instituições ou em outros Departamentos da UnB poderão ser aproveitadas a critério da Comissão de Pós-Graduação, que submeterá os pedidos ao aval do Conselho dos cursos de Pós-Graduação da Faculdade de Tecnologia.

Art. 20º - A matrícula será feita por disciplina nas datas previstas no calendário universitário.

Art. 21º - O aluno poderá integralizar, por período letivo, um máximo de vinte créditos.

 

V. Da Orientação

Art. 22º - Para orientar no Mestrado, o professor orientador deve apresentar título de doutor e produção científica significativa. Para orientar no doutorado, o professor orientador deve apresentar título de doutor, produção científica significativa e já ter orientado pelo o menos uma dissertação de Mestrado.

Art. 23º - Os professores orientadores poderão ter sob sua orientação até quatro orientados por curso com no máximo dois por curso com ingresso no mesmo período.

Parágrafo 1º - O professor orientador poderá deixar de sê-lo a qualquer momento, desde que justifique e tenha aprovação do Conselho dos Cursos de Pós-Graduação da Faculdade de Tecnologia, ouvida a Comissão de Pós-Graduação do Curso.

Parágrafo 2º - É facultada ao aluno a mudança de orientador mediante requerimento justificado.

Parágrafo 3° - A mudança de orientador, referida no parágrafo 2° ficará condicionada a:

a) Disponibilidade de aceite de um outro professor do curso;

b) Complementação do plano de trabalho, que deverá ser submetido á Comissão de Pós-Graduação num prazo mínimo de 30 dias após a mudança;

c) Aprovação da solicitação pela Comissão de Pós-Graduação e pelo Conselho dos cursos de Pós-Graduação da Faculdade de Tecnologia.

 

Art. 24º - São atribuições do professor orientador:

a) Orientar a elaboração do programa de trabalho do aluno;

b) Acompanhar todas as atividades de estudo do aluno, visando a proporcionar melhores condições à obtenção do grau;

c) Orientar em pesquisa o aluno no campo de sua especialidade, bem como em atividades didáticas;

d) Orientar o aluno, a respeito dos regulamentos, normas e procedimentos da vida acadêmica e científica em geral;

e) Comunicar ao coordenador de Pós-Graduação quaisquer problemas ou fatos que possam influenciar no rendimento acadêmico do orientado, para que sejam tomadas providências cabíveis;

f) Requerer ao presidente da Congregação de Pós-Graduação da Faculdade de Tecnologia via Comissão de Pós-Graduação, o julgamento da dissertação/tese do seu orientado, propondo o dia, a hora, o local e a Comissão Examinadora.

Art. 25° - Quando houver necessidade, do ponto de vista experimental do trabalho de dissertação/tese, o professor orientador poderá contar, mediante a aprovação da Comissão de Pós-Graduação, com auxílio de um professor Co-orientador credenciado pela Comissão de Pós-Graduação, segundo o campo de sua especialidade. Este não substituirá de forma automática o orientador em suas funções regimentais específicas.

 

VI. Da Comissão Examinadora

Art. 26º - A dissertação de Mestrado será julgada por uma Comissão Examinadora constituída no mínimo, pelo professor orientador, um professor ou pesquisador externo ao Programa de Engenharia Florestal e um professor do curso.

Parágrafo 1º - Além da Comissão Examinadora, um suplente não envolvido com o projeto da dissertação deverá ser indicado.

Parágrafo 2º - A Comissão Examinadora será proposta pela Comissão de Pós-graduação do curso e homologada pela CPPG-FT.

Art. 27º - A tese de Doutorado será julgada por uma Comissão Examinadora, constituída no mínimo, por cinco especialistas.

Parágrafo 1º - A composição da Comissão Examinadora da tese de doutorado será escolhida pela CCP a partir da de proposta da CCPG-FT baseada em proposta da coordenação do Programa.

Parágrafo 2º - A Comissão Examinadora da tese de doutorado será composta pelos seguintes membros:

a) Professor Orientador;

b) Até dois Examinadores Internos vinculados ao Programa;

c) Pelo menos dois Examinadores Externos não vinculados ao Programa, sendo pelo menos um externo à UnB;

d) Um examinador suplente.

Art. 28º - A cada dissertação de mestrado ou tese de doutorado, a Comissão Examinadora atribuirá uma das seguintes menções: aprovação, revisão de forma, reformulação ou reprovação.

Parágrafo 1º - As decisões da Comissão Examinadora serão tomadas por maioria simples de votos, delas cabendo recurso ao CEPE, somente por vício de forma.

Parágrafo 2º - No caso de aprovação, a homologação ficará condicionada à entrega do trabalho definitivo no prazo de quinze dias à Coordenação do Programa.

Parágrafo 3º - No caso da Comissão Examinadora exigir revisão de forma, a homologação ficará condicionada à apresentação definitiva do trabalho no prazo de trinta dias.

Parágrafo 4º - No caso de reformulação, o aluno ficará obrigado a apresentar e defender, diante da mesma Comissão Examinadora, uma nova versão do seu trabalho no prazo máximo de três meses para mestrado e seis meses para doutorado.

Parágrafo 5º - A não aprovação do trabalho reformulado, assim como a não entrega da reformulação ou revisão do trabalho no prazo estipulado, importará no desligamento definitivo do aluno do programa de Pós-Graduação.

 

VII. Da Conclusão do Curso

Art. 29º - Para concluir o curso de mestrado o aluno terá um mínimo de dois e o máximo de quatro períodos letivos e deverá atender aos seguintes critérios:

a) Obter o mínimo de 24 créditos em disciplinas.

b) Ter apresentado o seu trabalho na disciplina Seminário Avançado em Ciências Florestais;

c) Ter apresentado ao orientador um manuscrito sobre o assunto tratado para publicação em periódico da área com comissão eleitoral;

d) Ter sua dissertação de Mestrado defendida e aprovada por uma Comissão Examinadora composta por um mínimo de três especialistas;

e) Ter submetido relatórios de trabalhos anuais e obtido aprovação Comissão de Pós-Graduação.

f) Entregar a Comissão de Pós-Graduação, até 15 dias após a defesa e aprovação, cinco cópias da versão final da dissertação, de acordo com as normas para redação de dissertação estipuladas pela CPPG-FT.

Parágrafo único – no caso do mestrado, excepcionalmente, perante a apresentação de razões amplamente justificadas e de cronograma que claramente indique a viabilidade de conclusão pelo aluno, esses prazos poderão ser estendidos ou reduzidos por um período inferior a um semestre letivo.

Art. 30º - Para concluir o curso de doutorado o aluno deverá ter um mínimo de quatro e o máximo de oito períodos letivos e deverá atender aos seguintes critérios:

a) Obter o mínimo de 40 créditos em disciplinas.

b) Ter apresentado o seu trabalho nas disciplinas Seminário Avançado e Seminário Avançado em Ciências Florestais;

c) Ter sido aprovado em um prazo máximo de quatro semestres em exame de qualificação que inclua projeto de tese e outros requisitos capazes de revelar sua capacidade para elaboração e execução do projeto;

d) Ter apresentado ao orientador o manuscrito sobre o assunto tratado para publicação em periódico da área com comissão editorial;

e) Ter submetido relatórios de trabalhos anuais e obtido aprovação da Comissão de Pós-Graduação;

f) Ter sua tese de doutorado, que represente contribuição original para o seu campo de estudos, defendida e aprovada;

g) Entregar a Comissão de Pós-Graduação, até 15 dias após a defesa e aprovação, cinco cópias da versão final da dissertação, de acordo com as normas para redação de teses estipuladas pela CPPG-FT.

Parágrafo 1° - no caso de doutorado, excepcionalmente, perante a apresentação de razões amplamente justificadas e de cronograma que claramente indique a viabilidade de conclusão pelo aluno, esses prazos poderão ser estendidos ou reduzidos por um período inferior a dois semestres letivos.

Parágrafo 2° - ao aluno é facultado o aproveitamento dos créditos obtidos no curso de Mestrado até ao máximo de 24 créditos, devendo o mesmo completar quarenta créditos exigidos até o quarto semestre letivo da sua permanência no Curso de Doutorado.

 

VIII. Da Duração e do Trancamento

Art. 31º - A duração do curso, desde o seu início até a defesa do trabalho de titulação, não poderá ser inferior a dois nem superior a quatro períodos letivos regulares para o Mestrado e nem inferior a quatro ou superior a oito períodos regulares para o Doutorado.

Parágrafo único - O Conselho dos cursos de Pós-Graduação da Faculdade de Tecnologia, ouvida a Comissão de Pós-Graduação do curso, poderá excepcionalmente estender este prazo por mais um semestre letivo para o mestrado e por mais dois semestres letivos para o doutorado.

Art. 32º – O trancamento geral de matrícula só poderá ocorrer, por motivo justificado, nos casos em que fique comprovado o impedimento involuntário do aluno para exercer suas atividades acadêmicas.

Parágrafo único – O Trancamento Geral de matrícula não poderá ser concedido por mais de um período letivo durante a permanência do aluno no curso, exceto por razões de saúde.

Art. 33º – O Trancamento de Matrícula em disciplina deverá ser autorizado pelo Coordenador do Programa, ouvido o orientador do aluno.

Parágrafo único - O aluno perderá o direito a bolsa durante o período de trancamento.

 

IX. Do Desligamento

Art. 34º - Será desligado do curso o aluno que:

a) Não reativar a matricula após o período de trancamento;

b) Se for reprovado na defesa de tese ou dissertação;

c) Tiver duas reprovações no exame de qualificação.

d) Tiver duas reprovações em disciplinas do curso;

e) Não cumprir os prazos para resubmissão da dissertação revisada ou reformulada de acordo com as exigências da Comissão Examinadora;

f) Ultrapassar o prazo máximo de permanência no curso;

g) Por conduta ética inadequada após pronunciamento da Câmara de Pesquisa e Pós-Graduação, ouvido o Conselho dos cursos de Pós-Graduação da Faculdade de Tecnologia.

h) Por motivos disciplinares previstos no Regimento Geral da Universidade de Brasília.

 

X – Diplomação

Art. 35º – A expedição do diploma de Mestre ou de Doutor ficará condicionada à homologação, pelo Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação, de relatório elaborado pela Comissão Examinadora.

Parágrafo 1º - O relatório de defesa deverá ser encaminhado ao Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação, pelo coordenador do Programa, no prazo máximo de 15 dias.

Parágrafo 2° - O Diploma será o único documento emitido para comprovação do título, ficando vedada, em qualquer instância, a emissão de declaração ou cópia do relatório de defesa como comprovante de titulação.

 

XI. Disposições Gerais

Art. 36º - Os casos omissos neste Regulamento serão resolvidos pela Congregação de Carreira dos cursos de Pós-Graduação da Faculdade de Tecnologia, ouvida a Comissão de Pós-Graduação e em última instância a CPP.

Art. 37º - Este regulamento estará sujeito às demais normas existentes e as que vierem a ser estabelecidas para os cursos de Pós-Graduação na Universidade de Brasília.

Art. 38º - Este Regulamento entrará em vigor na data de sua assinatura.

 

Prof. Reginaldo Sérgio Pereira

Coordenador PG/EFL

 

 

ANEXO I

Anexo ao Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais da Universidade de Brasília – Mestrado e Doutorado (complemento ao Artigo 15)

QUADRO 1

As disciplinas do Tronco Comum para os cursos de Mestrado e de Doutorado em Ciências Florestais são:

 

NOME DA DISCIPLINA

CÓDIGO

CR

CH

N

Sem. Avançado em Ciências Ambientais e Florestais I

EFL360007

02

30

M/D

Sem. Avançado em Ciências Ambientais e Florestais II

EFL360040

02

30

M/D

Metodologia de Pesquisas Florestais

EFL360473

02

30

M/D

Biometria Florestal ou equivalente

EFL360082

04

60

M/D

Qualificação em Ciências Florestais

EFL360465

01

0

D

Elaboração de Trabalho Final de Mestrado

-

-

-

M

Elaboração de Trabalho Final de Doutorado

-

-

-

D

Obs.:CR – número de créditos; CH – carga horária; N – nível (M–mestrado e D–doutorado)

 

QUADRO 2

As disciplinas da Área de Concentração para os cursos de Mestrado e de Doutorado em Ciências Florestais, caracterizadas como optativas são:

 

NOME DA DISCIPLINA

CÓDIGO

CR

CH

N

Administração de Áreas Silvestres

EFL360139

04

60

M/D

Administração Florestal

EFL360155

04

60

M/D

Avaliação Econômica de Projetos Florestais

EFL360520

04

60

M/D

Análise Quantitativa e Qualitativa da Vegetação

EFL360112

04

60

M/D

Biodegradação e Preservação da Madeira

EFL360228

04

60

M/D

Biologia da Conservação

EFL360121

04

60

M/D

Biometria Florestal

EFL360082

04

60

M/D

Características de Combustíveis de Origem Vegetal

EFL360287

04

60

M/D

Compostos de Materiais Ligno-celulósicos

EFL360279

04

60

M/D

Conversão Energética de Biomassa

EFL360309

04

60

M/D

Curso de Campo em Ciências Florestais

EFL360406

04

60

M/D

Dispersão e Germinação de Sementes

EFL360015

04

60

M/D

Dendrologia

EFL360066

04

60

M/D

Ecologia de Sementes

EFL360384

02

30

M/D

Economia Florestal

EFL360147

04

60

M/D

Ergonomia e Segurança no Trabalho florestal

EFL360350

04

60

M/D

Estrutura e Dinâmica de Matas de Galeria

EFL360058

04

60

M/D

Etnobotânica e Sócioflorestas

EFL360414

04

60

M/D

Identificação e Caracterização Anatômica da Madeira

EFL360198

04

60

M/D

Industrialização da Madeira

EFL360317

04

60

M/D

Inventário Florestal Não Convencional

EFL360104

04

60

M/D

Manejo de Bacias Hidrográficas

EFL360033

04

60

M/D

Mensuração Florestal

EFL360091

04

60

M/D

Métodos de Prevenção e Controle de Incêndios Florestais

EFL360341

02

30

M/D

Mudanças Globais e Ecossistemas Brasileiros

EFL360392

04

60

M/D

Política Ambiental e Florestal

EFL360163

04

60

M/D

Prática de Ensino Florestal

EFL360376

02

30

M/D

Propriedades Físicas e Mecânicas da Madeira

EFL360236

04

60

M/D

Qualidade da Madeira

EFL360201

04

60

M/D

Química da Madeira

EFL360210

04

60

M/D

Reabilitação de Áreas Florestais Degradadas

EFL360074

04

60

M/D

Recuperação de Áreas Degradadas pela Mineração

EFL360511

04

60

M/D

Recursos Florestais e Comercialização da Madeira

EFL360180

02

30

M/D

Recursos Energéticos da Madeira

EFL360295

04

60

M/D

Manejo de Florestas

EFL360031

04

60

M/D

Regeneração e Manejo de Florestas

EFL360031

04

60

M/D

Relação Água-Madeira

EFL360244

04

60

M/D

Secagem da Madeira

EFL360261

04

60

M/D

Solos de Ecossistemas Florestais

EFL360023

04

60

M/D

Tecnologia da Celulose e Papel

EFL360252

04

60

M/D

Tecnologia de Produtos Florestais Não –Madeireiros

EFL360538

04

60

M/D

Técnicas de Colheita e Transporte Florestal

EFL360368

04

60

M/D

Tópicos Especiais em Cons. e Manejo de Recursos Florestais

EFL360171

04

60

M/D

Tópicos Especiais em Tec. de Prod. Florestais e Qual. da Madeira

EFL360325

04

60

M/D

Tópicos Avançados em Conservação da Natureza

EFL360431

04

60

M/D

Tópicos Avançados em Gestão Ambiental e Florestal

EFL360449

04

60

M/D

Transferência de Informações Florestais

EFL360457

04

60

M/D

Obs.: CR – nº de créditos; CH – carga horária; N – nível (M-mestrado, D-doutorado).

 

ANEXO I

Anexo ao Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais da Universidade de Brasília – Mestrado e Doutorado

(complemento ao Artigo 13º, parágrafo 3º)

As disciplinas do Núcleo de Formação Específica para o Mestrado e Doutorado em Ciências Florestais são as seguintes:

 

NOME DA DISCIPLINA

CÓDIGO

CR

HS

A

N

A

Administração de Áreas Silvestres

EFL360139

04

60

C

M/D

2

Administração Florestal

EFL360155

04

60

M

M/D

2

Análise Quantitativa e Qualitativa da Vegetação

EFL360112

04

60

C, M

M/D

2

Biodegradação e Preservação da Madeira

EFL360228

04

60

M

M/D

2

Biologia da Conservação

EFL360121

04

60

C

M/D

1

Biometria Florestal

EFL360082

04

60

C, M

M/D

1

Características de Combustíveis de Origem  Vegetal

EFL360287

04

60

M

M/D

1

Compostos de Materiais Ligno-celulósicos

EFL360279

04

60

M

M/D

1

Conversão Energética de Biomassa

EFL360309

04

60

M

M/D

2

Curso de Campo em Ciências Florestais

Proposta

04

60

C

M/D

2

Dendrologia

EFL360066

04

60

C, M

M/D

1

Ecologia de Sementes

EFL360384

02

30

C

M/D

2

Economia Florestal

EFL360147

04

60

M

M/D

1

Ergonomia e Segurança no Trabalho florestal

EFL360350

04

60

M

M/D

2

Estrutura e Dinâmica de Matas de Galeria

EFL360058

04

60

M

M/D

2

Etnobotânica e Sócioflorestas

Proposta

04

60

C, M

M/D

2

Inventário Florestal Não Convencional

EFL360104

04

60

C

M/D

2

Manejo de Bacias Hidrográficas

EFL360033

04

60

C

M/D

1

Mensuração Florestal

EFL360091

04

60

C, M

M/D

1

Métodos de Prevenção e Controle de Incêndios Florestais

EFL360341

02

30

C, M

M/D

1

Mudanças Globais e Ecossistemas Brasileiros

EFL360392

04

60

C, M

M/D

1

Política Ambiental e Florestal

EFL360163

04

60

C, M

M/D

1

Prática de Ensino Florestal

EFL360376

02

30

C,M

M/D

2

Prática de Ensino Florestal Avançada

Proposta

02

30

C, M

D

2

Propriedades Físicas e Mecânicas da Madeira

EFL360236

04

60

M

M/D

1

Reabilitação de Áreas Florestais Degradadas

EFL360074

04

60

C

M/D

2

Recursos Florestais e Comercialização da Madeira

EFL360180

02

30

M

M/D

2

Recursos Energéticos da Madeira

EFL360295

04

60

M

M/D

1

Manejo de Florestas

EFL360031

04

60

M

M/D

1

Relação Água-Madeira

EFL360244

04

60

M

M/D

1

Secagem da Madeira

EFL360261

04

60

M

M/D

2

Solos de Ecossistemas Florestais

EFL360023

04

60

C

M/D

1

Técnicas de Colheita e Transporte Florestal

EFL360368

04

60

M

M/D

2

Tópicos Especiais em Cons. e Manejo de Recursos Florestais

EFL360171

04

60

C, M

M/D

2

Tópicos Especiais em Tec, Prod. Florestais e Qual.   Madeira

EFL360325

04

60

M

M/D

2

Tópicos Avançados em Conservação da Natureza

Proposta

04

60

C

M/D

2

Tópicos Avançados em Gestão Ambiental e Florestal

Proposta

04

60

C,M

M/D

2

Transferência de Informações Florestais

Proposta

04

60

C, M

M/D

1

 

As disciplinas do Núcleo de Pesquisa para o Mestrado e Doutorado em Ciências Florestais, para as Áreas de Concentração Conservação da Natureza, Manejo e Utilização de Recursos Florestais, caracterizadas como Tronco Comum e obrigatórias são:

 

Sem. Avançado em Ciências Ambientais e Florestais I

EFL360007

02

30

OB

M/D

1

Sem. Avançado em Ciências Ambientais e Florestais II

EFL360040

-

-

OB

M/D

2

Metodologia de Pesquisas Florestais

Proposta

04

60

OP

M/D

1

Qualificação em Ciências Florestais

P-

01

15

OB

D

2

Elaboração de Trabalho Final de Mestrado

-

-

-

OB

M

1

Elaboração de Trabalho Final de Doutorado

Proposta

-

-

OB

D

1

 

Observações:

CR – número de créditos;

HS – carga horária;

OB – obrigatoriedade da disciplina; (S – sim);

PR – período letivo (1 – primeiro semestre, 2 – segundo semestre);

M – mestrado;

D – doutorado;

A – área de concentração onde, C=Conservação da Natureza, M=Manejo e Utilização de Recursos Florestais.

 

Todas as disciplinas de formação específica para a área de concentração Conservação da Natureza são de Área Conexa para a área de Concentração Manejo Florestal e vice-versa. Além destas, as disciplinas da Área Conexa são as seguintes:

 

ECL

322236

Manejo de Recursos Naturais Renováveis

4 créditos

ECL

323063

Análise de Solos e Tecidos Vegetais

4 créditos

ECL

322253

Bioclimatologia

4 créditos

ECL

322130

Nutrição Mineral das Plantas

3 créditos

ECL

322270

Vegetação e os Fatores Edáficos

4 créditos

ECL

322334

Ecofisiologia Vegetal

4 créditos

ECL

322300

Ecologia de Populações

4 créditos

ECL

322229

Métodos em Ecologia

4 créditos

ECL

322326

Ecologia do Cerrado

4 créditos

BOT

322776

Taxonomia de Dicotiledoneas

8 créditos

BOT

322806

Sistemas Reprodutivos e Genéticos nas Angiospermas

4 créditos

BOT

322775

Fitogeografia

2 créditos

BOT

322491

Cultura de Células e Tecidos Vegetais

4 créditos

BOT

322571

Fitossociologia

4 créditos

IGD

312584

Sensoriamento Remoto

4 créditos

IGD

312819

Fundamentos de Sistemas Sensores

4 créditos

IGD

312967

Tópicos em Geoprocessamento 3

2 créditos

IGD

312835

Processamento de Imagens e Informações Espaciais

4 créditos

EST

315125

Métodos Estatísticos I

4 créditos

EST

315206

Análise Multivariada

4 créditos

ENC

362042

Teoria do Conhecimento e Metodologia Científica

2 créditos

CDS

300373

Gestão Ambiental

4 créditos

CDS

300241

Tópicos Especiais em Desenvolvimento Sustentável

2 créditos

CDS

362841

Introdução à Gestão Ambiental

2 créditos